Arquivo diário 24 de julho de 2017

porJoLopes

Mercado financeiro projeta aumento da inflação para este ano

Com o aumento do PIS/Cofins, anunciado na semana passada pelo governo, foi interrompida a sequência de queda da inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo estimativas do mercado, publicadas hoje (24) pelo boletim Focus do Banco Central (BC), a expectativa mediana para a inflação passou de 3,29% para 3,33% este ano.

O relatório, divulgado hoje (24), em Brasília, pelo BC, mostra também que a expectativa do mercado para o IPCA, em 2018, foi mantida em 4,20%. Entre os chamados analistas Top 5, médio prazo, a projeção para o IPCA deste ano subiu de 3,08% para 3,10%, mantendo-se em 4,19% para 2018.

Já quanto as expectativas para a produção industrial, os economistas ouvidos pelo Banco Central apontam para uma redução de 0,97% para 0,83%, em 2017, e 2,30% para 2,26%, em 2018.  Com relação ao produto Interno Bruto (PIB – soma de toda a riqueza produzida pelo país), o mercado financeiro não muda as estimativas para o crescimento da economia, mantendo os percentuais de 0,34% para este ano e 2% para 2018.

Quanto à Taxa Selic, os economistas consultados mantiveram a projeção de 8% para este ano, apostando no mesmo  percentual para 2018. No Top 5, a estimativa para a Selic é 7,75%, em 2017, e 7,50%, em 2018.

Nesta terça-feira (25) e na quarta-feira (26), o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne, em Brasília, para decidir se altera a taxa de juros, que atualmente está em 10,25%. (Agência Brasil)

porJoLopes

Dívida Pública sobe 3,22% em junho

O estoque da Dívida Pública Federal cresceu de R$ 3,253 trilhões para R$ 3,357 trilhões em junho, o que corresponde a um aumento de 3,22% em termos nominais. Os dados constam do Relatório Mensal da Dívida Pública divulgado hoje (24), em Brasília, pelo Tesouro Nacional.

As emissões da Dívida Pública Federal (DPF) brasileira ficaaram em R$ 74,1 bilhões em junho, enquanto os resgates somaram R$ 3,84 bilhões. Assim, foram registrados R$ 70,26 bilhões em emissões líquidas.

Foram R$ 72,19 bilhões referentes à emissão líquida da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) e R$ 1,92 bilhão relacionado ao resgate líquido da Dívida Pública Federal Externa.

O estoque da Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) em circulação no mercado nacional foi ampliado em 3,31%, passando de R$ 3,130 trilhões para R$ 3,233 trilhões.

Já o estoque da Dívida Pública Federal externa (DPFe) acusou aumento de 0,91% sobre o apurado em maio, encerrando junho em R$ 123,99 bilhões (US$ 37,48 bilhões). Deste total, R$ 112,42 bilhões (US$ 33,98 bilhões) são referentes à dívida imobiliária, e R$ 11,57 bilhões (US$ 3,5 bilhões) à dívida contratual.

“No que se refere à dívida externa, o destaque foram os resgates. Não houve emissão, mas resgate de um título em euro, que originalmente foi emitido em lira italiana. Trata-se de menos um título antigo e ineficiente que tínhamos”, explicou o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Leandro Secunho.

Desvalorização do Real

Segundo o Ministério da Fazenda, a variação se deve principalmente à desvalorização do Real em relação às principais moedas que compõem o estoque da dívida externa. O governo informa que o resultado foi em parte compensado por um resgate líquido de R$ 1,92 bilhão.

A variação do endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões, pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta. A variação pode ocorrer também pela assinatura de contratos de empréstimo.

Nesse caso, o Tesouro toma empréstimo de uma instituição ou de um banco de fomento, destinado a financiar o desenvolvimento de uma determinada região. Já a redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos. (Agência Brasil)

porJoLopes

Confiança do empresário do comércio recua 0,9% entre junho e julho

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) recuou 0,9% entre junho e julho deste ano, segundo dados divulgados hoje (24) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Na comparação com julho do ano passado, no entanto, o indicador teve aumento de 16,7%.

Apesar da queda de 0,9%, os empresários do comércio estão mais otimistas em relação ao futuro do que no mês passado. As expectativas cresceram 1,1% entre junho e julho, puxadas por melhores avaliações sobre o futuro da economia (1,3 %) , do setor (1,3 %) e de sua própria empresa (0,8 %) .

Os empresários também estão mais confiantes em relação ao presente (0,2 %), resultado puxado pela melhora da avaliação sobre a situação de suas empresas (1,7 %) . As avaliações sobre a situação atual pioraram em relação à economia (-1,1 %) e ao setor (-0,6 %) .

A queda de 0,9% entre junho e julho (101,5 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos) foi puxada pelas intenções de investimentos, que recuaram 1,2% no período. Os empresários prevêem contratar menos empregados (-2,1 %) e investir menos na empresa (-0,8 %) , além de terem uma pior avaliação sobre seus estoques (-0,4 %) .

Agência Brasil
porJoLopes

Destaques em fotos

Alguns assuntos foram destaque nas redes sociais este fina de semana. Confira fotos e legendas.

porJoLopes

Violéncia vitima mais um na Zona Norte de Natal

Mais um Crime de Homicídio na noite deste domingo (23) no Vale Dourado, mais precisamente na rua Horácio Rosa próximo a peixaria Fish na zona norte de Natal.

A vítima foi identificado por Fabrício de 15 anos de idade, o mesmo foi surpreendido pelos criminosos que se aproximaram e mandaram todos se afastar porque o alvo era ele, e em seguida executaram com 4 disparos de arma de fogo calibre 12, o mesmo ainda foi socorrido ao hospital pela sua vó, mais não resistiu aos ferimentos e veio a óbto. 

Com informações de noticias no face.