Pacientes poderão ser barrados na porta do Walfredo?

porJoLopes

Pacientes poderão ser barrados na porta do Walfredo?

O regime de porta regulada – implantado a partir desta segunda-feira (15) no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal, terá como principal impacto  disciplinar o atendimento.

De acordo com a entrevista que o secretário deu ao Jornal do Dia, atualmente há um volume de mais de 200 pacientes diários e de acordo com o secretário, mais de 60% dos casos deveriam ser direcionados às unidades de pronto-atendimento ou postos de saúde, como, por exemplo, pacientes com lombalgia, hipoglicemia leve, torções, que tomam a vaga das vítimas de AVC ou traumatismo grave, demandas que estão no perfil da unidade.

O site do Governo diz que o secretário reforçou que o momento pede a união de esforços: “O Governo e os municípios não tem interesses divergentes, esta é a hora de união. Temos estratégias muito bem montadas para que os municípios consigam melhorar a parte do pronto-atendimento”, ressaltou. Uma das conseqüências benéficas, já aguardadas com a mudança do sistema do Walfredo, é a disponibilidade de pessoal. Ao invés de uma equipe para recepcionar 200 pessoas por dia na emergência, estes profissionais estarão dentro do hospital reforçando o atendimento do público alvo.

Ao final da entrevista, o secretário afirmou que está otimista e que as perspectivas são positivas. “O cenário tem mudado, estou confiante e acredito muito na boa vontade do governador Robinson Faria de acertar e fazer o melhor para o povo do Rio Grande do Norte”.

Ficam as perguntas: Se todas as unidades vivem lotadas, para onde irão os pacientes? A entrevista responde para outras unidades, mas com essas outras unidades também lotadas, para onde irão? Será que isso vai funcionar mesmo? Ou é apenas mais um gargalo na vida das pessoas que vivem buscando atendimento? Não será só um meio para barrar os pacientes do Estado já tão sofridos pela péssima qualidade dos serviços de saúde?

Leia mais

Sobre o Autor

JoLopes administrator

Deixe uma resposta