5 de maio de 2015

Presidente da Abert diz que crise e demissões não ameaçam liberdade de imprensa

A atual conjuntura econômica é um desafio com grande impacto, mas que não afeta a solidez e a credibilidade do setor de comunicação social, disse nesta segunda-feira, 4, em Brasília, o presidente da Associação Brasileira de Rádio e TV (Abert), Daniel Slaviero, na cerimônia de abertura do 7º Fórum de Liberdade e Democracia, evento organizado pela revista Imprensa.

Slaviero prefere não usar a expressão “crise econômica” ao conceder entrevistas. Segundo ele, após anos de crescimento econômico, durante os quais as empresas de comunicação lançaram programas e produtos e ingressaram em novos mercados, o momento é de “ajustes”.

Para o presidente da Abert, esses ajustes, em muitos casos, têm significado demissões, inclusive de jornalistas. Entretanto, ele garante que os cortes não afetam a solidez do segmento e a qualidade da informação nem comprometem o direito à liberdade de imprensa.

De acordo com Slaviero, não houve e não há demissões em massa no setor. Acrescentou que a maioria ocorre em áreas de apoio e não na atividade-fim. “Alguns veículos têm de fazer ajustes pontuais em suas estruturas – mais nas áreas de apoio que na atividade-fim. Ainda que possa haver problemas pontuais, é uma conjuntura a que o setor acaba se adaptando. Até porque, já vivemos crises muito mais graves.”

Demissões

Presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Celso Schröder, afirmou à Agência Brasil que dezenas de jornalistas experientes (muitos premiados) têm sido demitidos todos os meses. Parte dessas vagas acaba sendo preenchida por profissionais com menos experiência e que aceitam receber salários menores.

“Depois de atingir a base das redações de todo o país, as demissões começaram a atingir postos de chefias e profissionais qualificados. Logicamente, isso afetará a qualidade do jornalismo e a liberdade de imprensa e de expressão, um direito que não é dos jornalistas ou das empresas, mas da população. Na medida em que não damos à população um jornalismo qualificado, sonegamos a plenitude desses direitos”, comentou o presidente da Fenaj.

Schröder também relativiza a ideia de que o setor esteja sofrendo os efeitos de uma crise econômica.

“Os indicadores são muito bons. Ao demitir 130 jornalistas, uma empresa do Rio Grande do Sul teve o cuidado de explicar que está financeiramente bem. Não está caracterizado o fechamento de postos de trabalho. O que há é o velho rodízio de profissionais bem pagos por outros que recebem menos”, concluiu.

Fonte: Agência Brasil

Related posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *