Arquivo de tag Fiern

porJoLopes

Contas públicas preocupam economistas que participaram do “Motores”

Por  Sara Vasconcelos/FIERN

 

As implicações da situação das contas públicas para a retomada do crescimento do Rio Grande do Norte — em um ritmo mais intenso — estiveram em debate na 31ª Edição do Seminário Motores do Desenvolvimento, projeto realizado pelo jornal Tribuna do Norte, Sistemas FIERN e FECOMÉRCIO e UFRN.

Economista Raul Veloso

O economista Raul Velloso destacou que somente medidas que incentivem a recuperação da economia, e o consequente fim da recessão, poderão colocar as receitas governamentais em patamares que permitam o reequilíbrio.

“Depois, teremos de equacionar o problema estrutural, principalmente do lado do gasto, que cresce naturalmente a taxas muito elevadas. Sozinha, a PEC [Proposta de Emenda Constitucional] do Teto dos Gastos é um remendo difícil de sustentar”, disse Velloso.

Consultor Cláudio Porto

Coube ao consultor Cláudio Porto, da Marcoplan, tratar da economia do RN. Os dados mostraram a fragilidades das contas públicas. O estudo mostrou que entre 2005 e 2015 houve uma piora na qualidade da infraestrutura e dos investimentos.

 

O economista Eduardo Giannetti da Fonseca alertou para as consequências nas mudanças demográficas, com a tendência de envelhecimento da população e do número de filhos por famílias, nas contas públicas. Essa tendência, disse o economista, aumenta a proporção e aposentados para cada pessoa trabalhando.

 

Economista Eduardo Giannetti da Fonseca

Com isso, nas próximas décadas, haverá uma elevação do comprometimento do PIB com previdência social, hoje em 13%, algo que vai deteriorar ainda mais, analisa ele, as contas públicas. Para o economista, a reforma previdenciária, com definição de idade mínima, se não for aprovada neste ano, terá que ser em 2018 ou, no máximo, em 2019.

Giannetti destacou também que é urgente de mudanças na previdência dos servidores públicos, que têm regras que garantes mais benefícios aos funcionários inativos do que nas aposentadorias do INSS.

Presidente do Sistema Fecomércio, Marcelo Queiroz

Durante o seminário, presidente do Sistema Fecomércio, Marcelo Queiroz, defendeu a “soma de esforços para que a máquina pública” trabalhe em prol do crescimento e melhoria do Rio Grande do Norte”. Ele disse que a atividade produtiva é fortemente afetada com a crise financeira.

porJoLopes

Seridó se mobiliza contra perda de empregos nas facções

Por Tácito Costa/Sistema FIERN

A cidade de São José do Seridó parou neste sábado, 16 de setembro. Em clima de revolta e medo, a população participou de uma Audiência Pública (Confira galeria de fotos no final), no Ginásio Poliesportivo Pedro Laurentino de Medeiros, para manifestar repúdio à decisão do Ministério Público do Trabalho, de multar a Guararapes em R$ 38 milhões.

Caso a justiça do trabalho acate a ação civil pública do MPT, não apenas a Guararapes será afetada, mas todas as facções instaladas no Seridó, que atuam em parceria com a empresa, o que representará a perda de cerca de 4 mil empregos oferecidos atualmente em 85 facções espalhadas pela região. Somente em São José funcionam 14 facções.

A audiência, inicialmente convocada para a Câmara Municipal, foi realizada no Ginásio da cidade, para poder comportar cerca de 2 mil empreendedores e trabalhadores do setor, mas também microempresários do comércio e serviços, que também serão atingidos caso os empregos nas facções desapareçam.

“Se a decisão do MPT for confirmada fecha tudo”, lamenta a empresária Anny Fabíola Nunes, da C. Medeiros, que emprega 460 funcionários em suas 11 facções. Ela afirmou que, para contratar esses trabalhadores, teve que fazer treinamento e investir em máquinas, assim como os demais empreendedores do segmento. “Agora podemos perder todo esse esforço. Será muito grave para o Estado”, acrescentou.

Tanto a Guararapes quanto os proprietários das facções apresentam fortes críticas aos argumentos apresentados pelo MPT na ação, utilizando como base a lei da terceirização. Para eles, as alegações do MPT de que as facções estariam sob direto controle da Guararapes são improcedentes.

Anny Fabíola garante que o argumento é infundado, especialmente porque grande parte das facções atendem a outras grandes marcas, como a Hering, e possuem até mesmo marcas próprias, como é o caso de sua empresa, C. Medeiros. “Eles precisam entender que por mais que a Guararapes seja o principal cliente de muitas das facções, a maior parte delas possui outros clientes e marcas próprias”, afirmou ela, que considera que existe um direcionamento do MPT contra o grupo Guararapes.

A audiência pública no Ginásio teve momentos de muita emoção, com testemunhos dos microempreendedores e funcionários sobre a importância da atividade econômica em suas vidas e na da população em geral, uma vez que a economia de São José do Seridó gira em torno das pequenas empresas do ramo têxtil, as facções, como são conhecidas.

Um desses momentos foi protagonizado pela faccionista Daniele Patrícia de Medeiros, da Aliança Têxtil, de São José. Emocionada, ela contou que sua vida deu uma guinada com as facções e que conseguiu sua casa própria graças ao salário que recebe na empresa onde trabalha. Ao final do seu depoimento, ela deu uma camiseta ao governador Robinson Faria, com mensagem em defesa do trabalho, e pediu que ele vestisse a camisa em favor do emprego na região.

A Audiência Pública foi encerrada também em clima de emoção, com o Ginásio lotado rezando de mãos dadas um Pai Nosso, pedindo a Deus para preservar os empregos.

porJoLopes

RN terá Núcleo de Inovação para a indústria de cerâmica vermelha

 

Empresários do setor cerâmico do estado, técnicos e representantes de instituições de ensino e pesquisa, do governo, do Sistema FIERN e da Fecomercio, participaram nesta sexta-feira, 15, na Casa da Indústria, de reunião técnica para apresentação da proposta de criação no Rio Grande do Norte do Núcleo de Inovação para Indústria de Cerâmica Vermelha – Inovacer.

O evento teve como convidado o presidente do Sinduscon-CE, André Montenegro de Holanda, que apresentou o modelo de gestão para inovação implantado no Ceará. Foi aberto pelo presidente do Sindicer-RN, Vargas Soliz, e contou com participação do vice-presidente da Federação das Indústrias, Pedro Terceiro de Melo, da vice-presidente do Sinduscon-RN, Larissa Dantas, e da Assessora de Inovação e Tecnologia do SENAI-RN, Suzie Macedo.

 

 

O objetivo do Núcleo é fortalecer o setor da indústria cerâmica vermelha e construção civil do Estado, através da inovação, priorizando ações em sistemas de gestão, processos produtivos e melhoria da qualidade dos produtos.

André Montenegro de Holanda disse que o foco do projeto cearense é a inovação, a parte de gestão de sistema, de processos, e de novos materiais. “A grande sacada foi a seguinte: nós criamos um P & D (Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico) coletivo. As empresas se uniram e estudam melhorias para ganhos de produtividade e processos dentro das empresas, o que diluiu os custos e trouxe resultados espetaculares”, disse ele. Um desses resultados é uma cooperativa de compras.

Segundo o presidente do Sinduscon-CE, fazer P & D em apenas uma empresa sai caro, principalmente no Nordeste, que tem recursos financeiros escassos. Ele ressaltou a importância do associativismo para o sucesso do projeto. “Quando você reúne empresas para reduzir custos e trocar idéias juntos, e todo mundo é obrigado a compartilhar suas melhorias senão sai do grupo, as melhorias são socializadas. Isso tem trazido frutos muito interessantes e todo mundo ganha”.

 

 

Montenegro conta que o Núcleo de Inovação do Ceará começou pequeno, há 19 anos, com quatro empresas, e que tomou um vulto maior depois que passou para o Sinduscon, que hoje conta com cerca de 600 associados, sendo um dos maiores do Brasil.

O vice-presidente da FIERN, Pedro Terceiro, ressalta que a criação do Núcleo é importante para a cadeia da construção civil e não apenas para o setor cerâmico. “O Setor cerâmico tomou conhecimento desse trabalho desenvolvido no Ceará, estado que é bem adiantado em relação ao nosso, e nós vamos copiar o que está sendo feito porque tem dado resultados muito positivos tanto para o setor cerâmico quanto para o setor da construção civil”, disse o industrial, que lamentou o distanciamento entre as instituições de ensino e o segmento cerâmico. Ele disse que tinha consciência das dificuldades existentes. “Queremos iniciar um trabalho com sonhos grandes, mas com passos pequenos”, explicou.

 

 

O presidente do Sindicer RN, Vargas Soliz, explica quer o Núcleo buscará trabalhar junto com as instituições parceiras, e, principalmente, as universidades, que são grandes desenvolvedoras de novos projetos. “Nosso produto, que está no mercado há mais de 5 mil anos também precisa de inovação, como os demais que estão surgindo no dia-a-dia. Vamos atrás de novos produtos, novos métodos construtivos para que possamos evoluir na velocidade e rapidez das obras”, disse. Ele destaca que a qualidade dos produtos cerâmicos potiguares oferecidos ao consumidor já é conhecida, mas é necessário desenvolver novos métodos para reduzir os custos, sem perder a qualidade.

A Assessora de Inovação e Tecnologia do SENAI-RN, Suzie Macedo, fez uma explanação técnica sobre o Núcleo, destacando as principais ações que serão desenvolvidas, entre elas, montar um grupo gestor que será responsável pela governança do projeto; convidar os principais atores que farão parte deste grupo; convidar e formalizar as empresas que serão partícipes do Núcleo; levantar as demandas do grupo gestor; definir onde ficará a gestão do Núcleo.

porJoLopes

Confederação Nacional da Indústria emite Carta à Nação

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), as confederações do setor produtivo e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) lançaram, na última quarta-feira (19), a Carta à Nação. Trata-se de um documento que aponta as ações estruturais que devem ser imediatamente tomadas para que o Brasil enfrente a crise ética, política e econômica que está passando. O documento é a primeira medida do Fórum lançado também nesta quarta-feira, formado ainda pela Confederação Nacional do transporte (CNT) e pela Confederação Nacional de Saúde (CNS). O grupo será permanente, apartidário e independente, com o único objetivo de apresentar propostas para que a sociedade civil tenha um papel ativo na construção de um país mais seguro juridicamente. Veja a íntegra:

CARTA À NAÇÃO
O Brasil se encontra numa crise ética, política e econômica que demanda ações imediatas para sua superação.
Independentemente de posições partidárias, a nação não pode parar nem ter sua população e seu setor produtivo penalizados por disputas ou por dificuldades de condução de um processo político que recoloque o país no caminho do crescimento.
É preciso que as forças políticas, de diversos matizes, trabalhem para a correção de rumos da nação. É uma tarefa que se inicia pelo Executivo, a quem cabe o maior papel nessa ação, mas exige o forte envolvimento do Congresso, Judiciário e de toda a sociedade.
Mudanças, respeitando-se a Constituição, se fazem necessárias.
Por um lado, é preciso dar força aos órgãos de investigação e ao Poder Judiciário para que, nos casos de corrupção, inocentes sejam absolvidos e culpados condenados. A corrupção não pode seguir como um empecilho para o desenvolvimento do país.
É preciso implementar, de maneira célere e efetiva, medidas para melhorar o ambiente de negócios no país, evitando o crescimento do desemprego ou o prolongamento da recessão.
Entre elas, destaca-se a necessidade de ampliação da segurança jurídica no país, com regras claras e cumprimento de contratos e obrigações, evitando que potenciais investimentos sejam perdidos.
A nação também precisa ser desburocratizada, facilitando o processo produtivo e garantindo um ambiente de negócios em que o Estado deixe de agir como um freio à expansão econômica.
É preciso que seja realizado um forte investimento em infraestrutura, em parceria com a iniciativa privada nacional e estrangeira, para retornar o processo de crescimento econômico.
Deve-se, ainda, reduzir imediatamente o tamanho do Estado, assegurando que o mérito e o profissionalismo sejam os critérios na escolha de servidores.
Também não é mais possível postergar a reforma tributária, que deve eliminar fontes de cumulatividade e garantir direitos aos contribuintes.
Noutro campo, também deve-se rever as regras de crescimento automático de gastos de modo a permitir a sustentabilidade dos investimentos em saúde e educação, e sem abdicar da necessidade de permanente inclusão de novos segmentos da sociedade brasileira no mercado de consumo.
Esperamos a sensibilidade dos políticos eleitos para a implementação de uma agenda que abra caminhos para a superação das crises e para a recuperação da confiança dos brasileiros.
Por fim, as entidades signatárias, com a publicação desta carta, formam um fórum permanente de apresentação de propostas para que a sociedade civil tenha um papel ativo na construção de um Brasil democrático e próspero.
Brasília, 19 de agosto de 2015.
porJoLopes

FIERN participa do lançamento de Campanha e Prêmio de Jornalismo “Trabalho Seguro”

2trtPor Jô Lopes

A Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN) participou na tarde desta terça-feira (31), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-NR-12), do evento de lançamento da Campanha Trabalho Seguro e do Prêmio Trabalho Seguro-RN de Jornalismo 2015.

Para a Coordenadora da Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem da FIERN, Cyntia Cynara, que representou a Federação, a iniciativa é de grande importância. “Este é um trabalho que coaduna com os programas desenvolvidos pelo Sistema, cuja atuação visa à saúde e a segurança do trabalhador industrial. É bom para o trabalhador, bom para as instituições e para a sociedade”, disse.

1trtDurante o lançamento, a Desembargadora do Trabalho, Joseane Dantas dos Santos, falou sobre a Campanha e sua finalidade. “Com essa campanha e o prêmio esperamos evitar que vidas sejam ceifadas pela prevenção aos acidentes no ambiente do trabalho”, afirmou.

PRÊMIO – O Prêmio Trabalho Seguro-RN de Jornalismo 2015 vai premiar trabalhos nas categorias: Televisão – R$ 4 mil; Impresso: R$ 4 mil; Rádio e Internet – R$ 3 mil; Fotografia – R$ 2 mil e Estudante – R$ 1 mil. Poderão concorrer trabalhos jornalísticos que abordem a temática relacionada à saúde e segurança no ambiente do trabalho.

porRedaçãoNN

CIN/FIERN divulga dados de origem, destinos, modais e locais de embarque das exportações do RN

natalnoticiann1De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (22) pelo Centro Internacional de Negócios da FIERN (CIN), a União Europeia foi o destino de 43,6% das exportações do Rio Grande do Norte em 2014, apontando também uma redução de 3,2% em relação a 2013. O Gerente do CIN, Luiz Henrique Guedes, explicou que dentro desse bloco econômico, a Holanda, mesmo importando -8,1% em relação ao ano passado,  permanece como maior importador, seguida pela Espanha e Reino Unido, estes  com aumento na participação como destino dos nossos produtos.

“É importante ressaltar que a Holanda atua como centro de distribuição para diversos outros países. As frutas frescas representam a maior fatia das exportações para a União Europeia, que recebe também castanhas de caju, granitos, peixes, entre outros”, disse.  Ele informou ainda que individualmente os Estados Unidos foram e tem sido os maiores importadores dos nossos produtos, para onde vai  castanhas de caju, balas e gomas de mascar, peixes, lagostas e muitos outros produtos. A queda nas exportações para os Estados Unidos foi de 19,4% em relação a 2013.

Os dados refletem que compensando parte da redução nas exportações para esses mercados tradicionais, aparecem alguns países da América do Sul (Bloco Aladi), cujo aumento médio foi de 112,6%, embora partindo de uma base anterior pouco expressiva, graças ao grande incremento nas exportações de tecidos de algodão e chapas plásticas,  e a China, para onde nossas exportações cresceram 94%, basicamente compostas de produtos minerais como tungstênio, mármores, granitos e ferro.

“Os gráficos apontam que nas importações, tivemos a China como principal fornecedor, responsável por 36% do total importado pelo RN, com destaque para equipamentos industriais, seguida pelos Estados Unidos e Espanha”, acrescentou Luiz Henrique.

Ele informou que no tocante aos modais e locais de embarque, a via marítima foi responsável por transportar 85% dos valores das nossas exportações, com os portos do Ceará escoando 42,3% dessas cargas, seguido pelo porto de Natal, com 22,9% e os de Pernambuco, com 11,3%. Somado ao valor exportado pelo Porto Ilha de Areia Branca de 8,9%, o valor total escoado pelos portos potiguares foi de aproximadamente 32%. Em tonelagem, o sal representa 76% do total exportado pelo estado.

“O transporte aéreo foi responsável por 10,7% e o rodoviário por 4% do total exportado pelo RN em 2014”, finalizou.


 

porRedaçãoNN

FIERN participa da posse do Sinduscon-RN

Por Aldemar Freire/FIERN

O presidente da FIERN, Amaro Sales, participou a posse da nova Diretoria do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Norte (Sinduscon-RN), eleita para o quadriênio 2015/2019. A Diretoria do Sinduson-RN foi empossada nesta quinta-feira, durante assembleia-almoço no hotel Ocean Palace, na Via Costeira.

Na ocasião, o presidente da FIERN fez um pronunciamento no qual destacou a importância do setor da construção civil para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte.

O engenheiro e empresário Arnaldo Gaspar Júnior, reeleito presidente por unanimidade, fez um discurso de posse no qual apontou a capacidade do setor em superar dificuldades. Ele lembrou que os empresários passaram por circunstâncias com hiperinflação e mercados em retração. Não será o momento atual, disse, que vai desanimar os empreendedores da construção civil.

Arnaldo Gaspar Júnior também lembrou a importância da boa governança. Ele disse que o serviço público precisa do ajuste fiscal para que proporcione o necessário incentivo aos desenvolvim ento. 

A posse   da diretória do Sinduscon-RN foi acompanhada também pelo diretor tesoureiro da FIERN, Roberto Serquiz, e diretores de sindicatos das in  dustrias, além do governador Robinson Faria, do presidente da Assembleia, Ricardo Mot    ta, da senadora eleita Fátima Bezerra, do deputado Rogério Marin  ho e do senador Garibaldi Filho.

O presidente do Sinduscon-RN tem como companheiros de Diretoria Larissa Dantas Gentile (vice-presidente do Mercado Imobiliário) e Marcus Antônio Aguiar Filho (vice-presidente de Obras Públicas). Ainda compõem a equipe dirigente, como titulares, os empresários Raimundo Cantídio Neto, José D’Arimatéa Ferna  ndes, Everton Roberto Marques de Oliveira, Francisco Ramo  s de Vasconcelos Júnior, Paulo Roberto de Menezes Junior, Orígenes Monte Neto, Juliano Rêgo Galvão, Carlos Henrique de Oliveira Dantas, Daniel Ferna  ndes Matias, Fab  iano Ramalho Moreira, Jorian Alves de Morais, Érickson Ricardo Marques de Oliveira, Ana Elisabeth Thé Bonifácio Freire, Carlos Luis Cavalcanti de Lima, Vicente Inácio Martins Freire e Vital Duarte Nóbrega.

Os suplentes são Alexandre Magno Fernandes de Souza, Ednaldo Soares Silva, Eduardo de Araújo Bezerra, Luciano Rosas de Sousa, Alberto Dantas Neto, Marino Eugênio de Almeida, Dorian Carlos Freire, Kerenski Francisco Torquato do Rêgo, Flávio Rodrigues de Sousa, Aluisio Bezerra Neto, Gustavo Felipe Pereira Gurgel, Renee Garofalo Silveira, Fábio Gomes de Albuquerque, José Eduardo Carvalho dos Santos, Raul de Medeiros Dantas e Ricardo Wagner da Silva Paiva.

O novo Conselho Fiscal é integrado por José Alves dos Santos Neto, José Aníbal Mesquita Barbalho, José Walter de Carvalho (titulares), Valmir Fernandes de Souza, George Hissa Hasbun e Jorge Maurício Freire Mororó (suplentes).